[Resenha] O Acordo - Elle Kennedy

novembro 08, 2016

New Adult | 360 Páginas | Editora Paralela | 2016 | Classificação: 5/5. 

Sinopse: TOCANTE, PROFUNDO, ENGRAÇADO, SEXY… UM ROMANCE QUE VAI ENCANTAR E SURPREENDER A CADA PÁGINA. Hannah Wells é uma das únicas garotas em sua universidade que não está nem aí para Garret Graham – o capitão do time de hóquei que faz o maior sucesso com o sexo oposto. Para ela, ele não passa de um cara convencido, infantil e irritante. Mas um simples acordo vai revelar que primeiras impressões não são necessariamente verdadeiras… Contra todas as probabilidades, Hannah descobre em Garret um grande amigo, talvez o melhor que ela já teve. Juntos, eles são capazes de enfrentar até as piores dores, os mais profundos traumas do passado de ambos. Até que um beijo inesperado vai fazer com que os dois tenham que repensar os termos de seu relacionamento: amigos ou algo mais?  
   Eu amei o livro, é uma história bem clichê olhando por uma visão geral, porém ao decorrer da história você vai percebendo a forma única, divertida e criativa que a escritora conseguiu desenvolver. A história também aborda temas polêmicos que nos fazem refletir e nos mostram como algumas coisas realmente podem trazer consequências assustadoras. Consegui ler rapidinho, conciliando com algumas outras tarefas eu consegui finalizá-lo em 5 dias, mas com certeza é possível terminar bem antes que isso (basta ter um tempinho sobrando).  
   Garret e Hannah são completamente diferentes, mas é exatamente por isso que eles se aproximam. Hannah é super inteligente, e apesar de Garret ser o capitão do time de hóquei ele não é nada superficial (esqueçam esteriótipos nesse livro). Tudo começa na aula de ética filosófica, com a professora Pamela Tolbert, que segundo Hannah "só faz o tipo de pergunta que poderia gerar uma tese de pós-graduação". Garret (e basicamente toda a sala) acaba se dando mal na prova, e todas sua notas são extremamente importantes para mantê-lo no time, por isso ele acaba ficando desesperado para achar uma solução para consertar sua situação. E claro, quem se deu bem na prova? Hannah Wellsy (como ele a chama).  
Ele finalmente a nota quando ela deixa sua prova cair e ele vê que sua nota foi não simplesmente boa, mas sim digna de um 10!
“Caramba.” Começo a me sentir como se tivesse acabado de topar com o próprio Stephen Hawking, e ele exibisse os segredos do universo bem debaixo do meu nariz. “Posso ver suas respostas?”
Ela ergue as sobrancelhas de novo. “Meio atiradinho da sua parte, não? A gente nem se conhece.”
Reviro os olhos. “Não estou pedindo para você tirar a roupa, gata. Só quero dar uma olhada na sua prova.”
“Gata? Tchau, atiradinho; oi, presunçoso.”
“Você prefere senhorita? Ou madame? Usaria seu nome, mas não sei.”
“Claro que não.” Ela suspira. “É Hannah” , e, após uma pausa forçada: “Garrett.”
Tá, eu tinha errado feio com o negócio do M. E também não me passou despercebido o jeito como ela pronunciou o meu nome, como se dissesse: Está vendo, eu sei o seu, babaca!” 
   E a partir desse momento, Garret quer que Hannah seja sua professora particular e o ajude a melhorar sua nota. Porém, o que ele não sabia é que diferente de todas as garotas da Universidade, Hannah não era caidinha por ele, o que não seria bom na hora de convencê-la a o ajudar. Sem contar que Hannah trabalha, se dedica aos estudos, e está completamente focada em sua apresentação no festival de inverno. Então ela já estava decidida a não ajudar Garret, que na sua opinião, só pensava em duas coisas: hóquei e tirar a roupa das garotas. 
   Garret acaba descobrindo que Hannah nutre um tímido sentimento por Justin, um jogador gato de futebol americano, e lhe propõe um acordo: ele promete ajudar Hannah a conquistar Justin, e em troca Hannah tem que ajudá-lo a passar na próxima prova da professora Tolbert. E depois de muita insistência ela acaba concordando. Garret afirma que quando Hannah aparecer publicamente com ele, todos vão passar a prestar atenção nela. E é justamente isso que acontece. Após algumas aparições em público com Garret, Justin já começa a demonstrar interesse em Hannah. 

    Algo incrível acontece entre estudos e conselhos: eles viram amigos. Hannah percebe que Garret não é um atleta burro, e Garret percebe que Hannah não é uma nerd desinteressante. Certa noite, enquanto os dois conversam no quarto de Garret, Hannah aceita um desafio e os dois acabam se beijando. Tudo muda após isso, dessa amizade pode surgir gradualmente algo a mais.

“Imediatamente, sou tomada por uma onda de pânico que me impele a interromper o beijo. Inspiro de forma entrecortada. “E aí? Como foi?” Estou tentando soar indiferente pelo que aconteceu, mas a leve oscilação em minha voz me trai. Os olhos de Garrett estão em chamas. “Não sei dizer. Não demorou o suficiente para eu poder avaliar direito. Vou precisar de um pouco mais.” A mão gigante envolve minha bochecha. Essa deveria ser minha deixa para ir embora. Em vez disso, me inclino para outro beijo. E é tão assustadoramente incrível como o primeiro”
   Aos poucos ambos vão se conhecendo melhor, e percebendo que apesar das diferenças eles compartilham algo: traumas. Um vai ajudando ao outro a superar esses problemas do passado que ainda parecem tão reais e atuais. 
   A história é cheia de sentimento que contagia o leitor, super vale a pena. Na parte de trás do livro tem "Conteúdo Adulto", mas eu não achei tão adulto assim. Ok, há cenas quentes, mas nada que a autora entre em mínimos detalhes. O gênero hot não faz minha cara, e eu li todo o livro sem me incomodar. Então quem, assim como eu, não gosta do gênero hot pode ler o livro pois não há nada muito pesado. 

   A narrativa é feita na primeira pessoa e os capítulos são alternados, alguns na visão da Hannah, outros na visão do Garret. Acho ótimo quando o livro aborda o ponto de vista de ambos personagens, pois podemos conhecer melhor os lados, e a história e pensamento dos personagens ficam mais claros. A leitura é tão leve e fluída, o que torna o livro ótimo para ser lido depois de uma ressaca literária. Naqueles momentos em que você não sabe o que vai ler, pois tem medo de se arriscar em alguma história ruim. Pois a abordagem da história e dos personagens é ótima, divertida e envolvente.

“Ela fica quieta por um longo período, e então uma expressão feliz surge em seu rosto, iluminando todo o quarto. É a primeira vez que Hannah sorri para mim desse jeito, um sorriso verdadeiro que se alastra para seus olhos, e isso faz meu coração se contrair de forma estranha.”



E é isso gente, espero que tenham gostado. Comentem o que acharam, podem dar dicas de leituras e até mesmo críticas construtivas. Beijos, e até a próxima.

Leia Também:

0 comentários