Dia mundial do diabetes.

novembro 21, 2016

Olá pessoal! O dia 14 de novembro é o dia mundial do diabetes, uma doença tão oculta e desconhecida no Brasil, porém que já atinge mais de 12 milhões de pessoas no nosso país, e segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), quase 250 milhões de pessoas ao redor do mundo. E o mais incrível é que grande parte desse número não sabe que a tem, pois ela é uma doença extremamente silenciosa de início. Estima-se também que a cada ano, em média sete milhões de pessoas entra para essa lista. Hoje resolvi esclarecer algumas coisas, explicar o que é, o que causa, mitos e verdades. Pois mesmo que você não a tenha, é importante conhecer mais sobre ela, pois como acabamos de ver os números é algo bem "comum" de se encontrar por ai, não é?! Então não deixe a ignorância e o individualismo te alcançar, vem conferir o post! 

Diabetes, a vida pode ser doce! ;)
Tenho diabetes tipo 1, descobri aos 18 anos, em julho de 2013. Sou insulinodependente, e não, não é por causa que comi doce demais! E sim, posso viver uma vida extremamente normal e saudável.

1. O que é diabetes mellitus?

A insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas, que fica responsável pela redução da taxa de glicemia no nosso sangue (nível de açúcar), ela ajuda a entrada da glicose para as células do organismo de forma que ela possa ser aproveitada para as diversas atividades celulares. Como por exemplo nos dar energia. A diabetes acontece quando esse hormônio não é mais produzido pelo pâncreas, ou é produzido em baixa quantidade, gerando conseqüentemente o acumulo de glicose no sangue, que damos o nome de Hiperglicemia.
2. Como podemos descobrir a diabetes?
Pode ser descoberta através de exame de sangue, ou exame de ponta de dedo. Que é quando se faz um furinho em qualquer dedo, e a gotinha de sangue é colocada numa fitinha inserida num glicosímetro (aparelho especifico para mostrar, através desse teste, o valor da glicemia no sangue).
Ou também pelo teste de tolerância oral à glicose, no qual a pessoal ingere 75g de glicose e duas horas depois ao medir a glicemia o resultado deve estar acima de 200mg/dl. Exame completamente feito por laboratórios especializados.
3. Quais são os sintomas?
Em pacientes que ainda não descobriram a diabetes (ou seja, ainda não estão em tratamento), o comum são os sintomas da hiperglicemia, pois a taxa de açúcar no sangue é constantemente alta por não ter a função da insulina funcionando em seu organismo. Os sintomas são: sede em excesso, fazer xixi muitas vezes ao dia, cansaço, fome em excesso, visão turva, dores ou câimbras nas pernas, também pode aparecer algumas infecções sendo frequentes ou prolongadas, por exemplo furúnculos. 
Há também a hipoglicemia, que é a baixa quantidade de açúcar no sangue, é possível acontecer em quem ainda não sabe que tem a doença, devido a instabilidade da glicose no sangue, apesar de ser mais comum em pacientes da DM2 pois o pâncreas ainda produz um pouco de insulina. Enfim, os sintomas são: tremores, suar, confusão mental, e em casos mais intensos de hipoglicemia pode acontecer de perda de consciência, desmaios e até coma.
4. Quais são os tipos de Diabetes?
Existem 03 tipos de diabetes, DM1, DM2 e a gestacional.

DM1: O pâncreas para completamente de produzir insulina e consequentemente em poucas semanas os sintomas da hiperglicemia já são super evidentes pois as taxas de açúcar no sangue já estão altíssimas. No meu caso, ele durou meses ainda antes de eu descobrir, mas foi realmente Deus que me guardou, pois a hiperglicemia constante pode levar a coma irreversível. O desenvolvimento da DM1 é causada por uma combinação de pré-disposição genética e um processo auto-imune. Ou seja, o próprio organismo produz anti-corpos que destroem as células betas, que são as células que produzem a insulina. A DM1 é comum surge na infância ou adolescência, mas também podendo acontecer em qualquer idade.  Esses paciêntes são caracterizados como inslinosdepentes, por já não haver mais nada de insulina em seu organismo e ser necessário as aplicações subcutâneas de insulina através do uso de injeções.  

DM2: A este tipo pertence a grande maioria dos casos de diabetes, cerca de 90%. Nesses pacientes o pâncreas ainda produz insulina porém numa quantidade não suficiente, e pode haver também uma certa resistência insulínica. Ou seja, o açúcar no sangue não é facilmente absorvido pelas células do corpo, o que causa os acúmulos de glicose no sangue (novamente, a hiperglicemia). Por isso os sintomas podem demorar a surgir e se intensificarem, podendo levar anos ou até mesmo nunca aparecendo. A DM2 é uma combinação de má alimentação, excesso de peso e sedentarismo. Nesse caso, normalmente não é necessário o uso de insulina, pode ser indicado pelo médico o uso via oral de um remédio para ajudar o desenvolvimento da glicose no organismo. A prática de exercícios físicos, somando a uma boa alimentação é algo extremamente significante para o tratamento da DM2. 
Gestacional: Como o nome já diz, é desenvolvido durante a gestação. Pode ou não permanecer, mesmo depois da gestação. É normalmente diagnosticada ao terceiro mês de gravidez, porém quanto antes for feito exames para identificar tendências melhor ainda, pois é possível controlar a diabetes gestacional com boa alimentação, exercício físico e em alguns casos o uso de algum medicamento SE passado pelo médico. Após a gestação é feito exames para verificar se tudo voltou ao normal.
5. Como saber se sou diabético?
Como falei no ponto 2, além dos sintomas podes-se descobrir através dos exames. Para entender os número do resultados, devem ser: em 8h de jejum valores maiores que 126mg/dl. A qualquer hora do dia, independente das alimentações valores acima de 200mg/dl. Ou valores acima de 200mg/dl duas horas após ingerir as 75g de glicose.
Existe também alguns pacientes que se incluem no grupo dos "pré-diabéticos", tendo valores como: glicemia em jejum acima de 110mg/dl ou após ingerir as 75g de glicose ter valores entre 140mg/dl a 200mg/dl. 
6. Descobri, e agora?
ACIMA DE QUALQUER COISA, O ACOMPANHAMENTO MÉDICO É ESSENCIAL E INDISPENSÁVEL. Procure um endocrinologista e nutricionista. Eles vão te guiar e instruir da melhor maneira possível. Pois o endocrino vai cuidar dos seus níveis glicêmicos, conferir as dosagens de insulina ou remédio via oral, e te acompanhar no desenvolvimento e resposta do seu organismo ao tratamento. Já o nutricionista vai te acompanhar através da sua alimentação, te ensinar a contagem de carboidratos e a sua importância, te passar a dieta necessária para o seu quadro.
7. E as complicações? 
O excesso constante de açúcar no sangue pode trazer muitas complicações. Tipo: AVC (ataque vascular cerebral), ataque cardíaco, má circulação, danos nos rins podendo gerar a insuficiência renal, problemas na visão devido a danos nas pequenas artérias da retina no fundo do olho, problemas nos pés devido a má circulação que pode levar a infecções grave e até amputações, a dificuldade de algumas feridas sarar, impotência sexual, entre outros.
Resumão + Notas sobre a diabética:
Então gente essas são as principais informações. Meu caso é a do tipo 1, pela demora a procurar um médico mesmo diante a todos os sintomas indicados acima fiquei internada durante uma semana para o controle da glicemia, e mesmo depois desse tempo não sai do hospital com o controle 100%. Sou acompanhada pelo endrocino, faço contagem de carboidratos, e estou na luta para conseguir materiais mais avançados para um controle melhor da glicemia. Até hoje é comum aparecer hipoglicemia ou hiperglicemia, a luta do diabético diariamente é justamente manter o controle entre esses dois extremos, manter a glicemia nem tão alta nem tão baixa. Manter uma boa alimentação e a prática de exercícios físicos são indispensáveis para qualquer ser humano, principalmente aqueles especiais que foram diagnosticados com qualquer tipo de diabetes. Todos os dias tomo insulina e meço o valor da glicemia, que num mesmo dia pode acontecer de mostrar valores como 50 ou 290 (como foi meu caso ontem). Mas eu faço a correção da HIPO com açúcar (uma colher, em média 15g a 25g) e após 10 ou 15 minutos meço novamente para ver o resultados. A correção da HIPER eu faço através da insulina, e meço novamente após alguns minutos. Posso comer de tudo, mas claro com o devido controle. 
Ser diabética não é nada anormal, vivo uma viva comum, porém a minha doença exige que eu leve uma vida saudável. Isso não é mais uma opção, tenho que levar uma vida saudável como todos deveriam levar, independe de ser ou não diabético. Como sim um docinho uma vez ou outra, e confesso que sim, as vezes passo do limite como humana que sou. Mas o importante é manter o controle constantemente, e sempre ser acompanhada pelo médico.
Gente, qualquer tipo de dúvida podem deixar nos comentários que vou esclarecê-las na médica do possível, sem passar a frente das orientações médicas, dando as respostas de acordo com minha experiência.
O conselho que deixo é: independente da sua idade e se você tem ou não casos na sua família, a cada 6 meses faça os exames de rotina e consulte o médico, tenha uma alimentação saudável e faça atividades físicas sempre! A DM é uma doença séria e quando não tratada de forma correta pode ser altamente grave. E aos que já são diabéticos digo: não interrompa nem pare o sue tratamento, sua saúde é super importante e sempre vem em primeiro ligar (assim como a de qualquer outra pessoa). Alerte sempre seus amigos e familiares, pois o apoio deles é extremamente fundamental. E sempre leve seu remédio, doce e glicosimétrico para checar a taxa da sua glicemia e de acordo com o valor tratá-la.
Existe vários blogues ótimos que te ajudam a estar mais por dentro desse mundo da diabetes, faça você parte dele ou não, dentre eles são: biabetica, adiabeteseeu, eueabete, somaisumadm1, e diabeticatiporuim. Existe muitos outros, inclusive páginas no face (super indico o grupo INSULINA DO AMOR), e eu amo acompanhar pois não me sinto tão isolada no mundo da diabetes, e ainda fico super por dentro das novidades e tiro minhas dúvidas. E alguns desses blogs tem lojinhas que disponibilizam acessórios lindíssimos para seu glicosímetro e outros aparelhos.
E ATENÇÃO...
TODAS AS IMAGENS USADAS SÃO DA PÁGINAS: SoMaisumaDM1

Leia Também:

4 comentários

  1. Adorei o post, e amei seu blog, um super beijo!
    http://my1life2in3books.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada linda, seja bem vinda! Beijos.

      Excluir
  2. Adorei o post, bastante informativo! Estudei com uma menina que tinha diabetes e ela falava justamente isso que alguns salgados podem ser pior do que comer alguns doces!

    www.cerejablack.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente! Tipo, eu AMO tapioca mas ela sobe minha glicemia muito mais do que um doce. É porque tudo depende do tanto de CARBOIDRATOS que há no alimento, não só o açúcar em si. Pois o carboidrato no organismo se transforma em açúcar também. Então muitos alimentos salgados tem mais carboidratos do que os "açúcares puro" de alguns doces.
      Deu pra entender? É meio complicadinho, mas a gente acaba de acostumando. As vezes me sinto até um matemático kkkkkk.
      Muito obrigada pelo comentário linda, super beijo! :*

      Excluir